Plano Outono-Inverno prevê hospitais covid free, testes rápidos e task-force para doentes não-covid

O Plano da Saúde para o Outono-Inverno, divulgado esta segunda-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS), revela que já está em curso a elaboração de mapas de risco epidemiológico, de forma a garantir a “adequação e proporcionalidade das medidas ao risco real de cada região ou local” e a “rápida implementação” de medidas de saúde pública correspondentes a cada nível de risco.

O documento assenta em três pilares: a resposta ao risco sazonal incluindo a covid-19; a garantia da resposta de cuidados de saúde não-covid; e um conjunto de medidas específicas em termos de comunicação e literacia.

Na resposta ao risco sazonal – que junta a gripe à covid-19 -, o plano prevê o reforço da resposta em saúde pública, especialmente em situações de surtos e o planeamento da vacinação contra a gripe e contra a covid-19, “logo que a vacina esteja disponível”.

A campanha de vacinação contra a gripe sazonal vai ser antecipada para o final de setembro e deverá chegar a mais gente. É o caso das grávidas, que se juntam aos residentes e funcionários dos lares e profissionais do Sistema Nacional de Saúde (SNS).

Além disso, prevê-se a adaptação da estratégia nacional de testes laboratoriais para o SARS-CoV-2 face à epidemia de gripe e um reforço de stocks e reserva estratégica de medicamentos, dispositivos médicos, equipamentos de proteção individual e testes laboratoriais. Uma das grandes apostas reside em “consolidar o plano de intervenção em estruturas residenciais para idosos”.

A Direção-Geral de Saúde está também a rever a definição de caso suspeito e os critérios de alta e fim de isolamento, uma vez que a gestão de casos suspeitos de covid-19 “implica a gestão a montante de todos os casos suspeitos de infeção respiratória aguda, cujo diagnóstico diferencial inclui, entre outros, a infeção por SARS-CoV-2, por vírus da gripe e por vírus sincicial respiratório”.

O uso de máscara continua a ser obrigatório para pessoas com mais de 10 anos “em espaços públicos fechados”, mas é recomendado o seu uso “em qualquer espaço aberto ou fechado sempre que não esteja garantido o distanciamento físico mínimo de dois metros”.

Em nome da sustentabilidade ambiental e para evitar a escassez de máscaras cirúrgicas nas unidades prestadoras de cuidados de saúde, o plano incentiva o uso de máscaras comunitárias certificadas.

Doentes não-covid

O plano prevê a criação de uma task-force, constituída por elementos de cada Administração Regional de Saúde e que funcionará na dependência do Ministério da Saúde, que se baseia numa “aposta na resposta maximizada nos cuidados de saúde primários, com atendimento presencial, não-presencial e domiciliário, bem como nas respostas de proximidade, incluindo dispensa de medicamentos”.

A estrutura irá definir “critérios de seleção dos utentes cujo seguimento possa ser assegurado, pelo menos parcialmente, por teleconsulta e telemonitorização“.

Além disso, o documento prevê a definição de unidades hospitalares “covid-19 free”, para evitar “a degradação do acesso em situações de crescimento epidémico significativo” e para continuar a expansão da hospitalização domiciliária.

Há também uma mudança na organização dos hospitais, dado que as Áreas Dedicadas à Covid-19 vão ser convertidas em Áreas Dedicadas aos Doentes Respiratórios, recebendo não só doentes de covid-19 como utentes com outras doenças do foro respiratório.

O documento prevê também a utilização de testes rápidos, com resultados em menos de 60 minutos e outros com resultados disponíveis em 24 horas, um complemento aos testes de maior validade científica para garantir uma abordagem mais célere a um caso suspeito.

Plano chega tarde e falha na “gestão operacional”

Alexandre Lourenço, presidente da Associação Portuguesa dos Administradores Hospitalares, considera que o documento “deveria ter sido apresentado em junho” e que o final de setembro “é um momento de decisão e implementação”.

Apesar de ser “interessante” e de merecer uma nota positiva quanto à criação da rede covid e não covid e aos de mapas de risco epidemiológico, “falta gestão operacional“.

O bastonário da Ordem dos Médicos (OM), Miguel Guimarães, também ambicionava um plano “mais objetivo”. “Não diz que hospitais vão ser covid free, se é possível fazê-lo só com o SNS ou se haverá apoio do setor social e privado. Que plano excecional vai ter para a recuperação de doentes?”

O responsável aplaude, contudo, a medida que prevê hospitais de retaguarda, sobretudo nas áreas metropolitanas, e admite que os testes rápidos “são muito importantes para quebrar cadeias de transmissão”.

Rui Nogueira, presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar, dá nota positiva à revisão do plano a cada dois meses, mas considera que o documento podia ter sido apresentado há mais tempo. Da mesma forma, Diogo Urjais, da Associação Nacional de Unidades de Saúde Familiar, refere a necessidade desta atualização.

Fonte: ZAP

Publicações Relacionadas

Deixe um comentário