Coronavírus: casos suspeitos em Portugal deram negativo, China soma mais de mil mortes

Análises aos dois doentes em Portugal suspeitos de terem contraído o novo coronavírus tiveram resultado negativo. Entretanto, a China anunciou que morreram já mais de mil pessoas no surto centrado em Wuhan.

Nenhum dos dois casos suspeitos de infecção pelo novo coronavírus (2019-nCoV) detectados em Portugal esta segunda-feira foram confirmados pelas análises, informou ainda durante a noite a Direcção-Geral de Saúde (DGS).

Sob suspeita estava “uma doente regressada da China”, de nacionalidade chinesa e residente em Portugal, encaminhada para o Hospital Curry Cabral, Centro Hospitalar de Lisboa Central”, e “um doente regressado também da China”, de nacionalidade brasileira, que seguiu para o Centro Hospitalar de São João, no Porto. Ambas as unidades são hospitais de referência para estas situações.

Também nos quatro casos suspeitos anteriormente registados — três em Lisboa e um no Porto — as análises tiveram resultados negativos. O primeiro caso suspeito foi o de um homem estrangeiro residente em Portugal que tinha estado na China. No segundo, tratou-se de um técnico italiano que também esteve naquele país e apresentou sintomas suspeitos quando estava numa fábrica de calçado em Felgueiras.

os dois casos suspeitos anteriores a estes diziam respeito a um português residente na Grande Lisboa, que apresentou “sintomas compatíveis com a nova infecção e uma ligação epidemiológica em função do percurso dos últimos dias”, como explicou na altura a directora-geral da Saúde, Graça Freitas. O outro era também homem residente na Grande Lisboa que tinha tido contacto com os cidadãos alemães que adoeceram após terem feito uma formação com uma pessoa chinesa.

O novo coronavírus já infectou mais de 40 mil pessoas e matou 1013 pessoas. Mais de 3000 pessoas recuperaram da infecção. Há apenas duas vítimas mortais fora da China: uma nas Filipinas e outra em Hong Kong. Há 37 casos de infecção reportados na região europeia. Um dos últimos foi em Espanha.

Fontes: publico

Publicações Relacionadas

Deixe um comentário