Ajuntamento no Aeroporto de Lisboa devido ao controlo de testes à covid-19

Centenas de passageiros acumularam-se, este domingo, na área de controlo sanitário do Aeroporto de Lisboa, sem o distanciamento físico adequado.

Segundo o jornal Correio da Manhã, várias fotografias partilhadas nas redes sociais mostram o ajuntamento de centenas de pessoas, este domingo, na zona de chegadas do Aeroporto de Lisboa. De acordo com a SIC Notícias, foram cerca de 1400 pessoas acumuladas neste local, sem o distanciamento físico adequado.

As filas intermináveis aconteceram na área de controlo sanitário, área onde se verifica se os viajantes têm o teste à covid-19 negativo para poderem entrar em Portugal e que está a cargo do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

O CM apurou que esta situação se deveu à chegada de pelo menos 12 voos quase em simultâneo (cinco do Brasil, quatro da América do Norte e três vindos de África). Os passageiros estiveram cerca de uma hora à espera para conseguirem passar pelo controlo sanitário.

Ao diário, fonte oficial da ANA – Aeroportos de Portugal confirma “que existiu um constrangimento pontual, com geração de fila mais demorada”, remetendo detalhes sobre o funcionamento desta zona de controlo sanitário para o SEF, com quem partilhou, “como habitual, a lista de voos para que possam adequar os seus meios”.

A mesma fonte acrescentou que foram destacados funcionários “para apoio ao passageiro e manutenção do distanciamento físico, de forma a assegurar as melhores condições”.

Em comunicado, o SEF rejeita “quaisquer responsabilidades na aglomeração de passageiros”, adiantando que, entre as 07h25 e as 09h45, registou-se a aterragem de 18 voos e a chegada de cerca de 1400 passageiros, cita o Correio da Manhã.

“Não é da responsabilidade do Serviço o controlo do distanciamento social entre cada um dos passageiros durante a espera”, defende o SEF, desmentindo ainda que a ANA tenha enviado para o local funcionários do apoio a passageiros.

“Durante esse período, não esteve no local nenhum elemento da ANA Aeroportos, apenas inspetores do SEF, elementos da PSP e elementos do laboratório responsável pelas realização dos testes.”

Segundo o CM, outro motivo apontado foi um “atraso na chegada de um voo de Dakar (…) e uma irregularidade, por parte da ANA Aeroportos, verificada com o voo de Fortaleza que foi desembarcado na porta 42” e que obrigou a circulação de passageiros em sentido contrário e gerando, assim, maior aglomerado de pessoas.

Fonte: ZAP

Publicações Relacionadas

Deixe um comentário